Cidades inteligentes foi tema de sessão

Segurança hídrica e desenvolvimento sustentável foram motes para diálogo no Centro de Convenções, ontem (21)

A segurança hídrica em cidades depende do uso das bacias hidrográficas como unidades de planejamento e requer a cooperação entre todos os interessados de bacias, bem como a implementação de programas para reduzir a vulnerabilidade e os riscos a montante e a jusante.

As cidades podem ser protagonistas no incentivo a investimentos em bacias combinados com projetos urbanos que protejam e recuperem os recursos hídricos por meio da integração da drenagem urbana, infraestrutura de saneamento, recuperação da vegetação e consciência hídrica na urbanização dos assentamentos próximos.

Todas essas medidas – junto com melhorias progressivas – podem aumentar a segurança hídrica e se tornar estratégias essenciais na prevenção de riscos ao abordar a qualidade da água, escassez hídrica e eventos extremos, como inundações e secas.

Esse tema foi tratado na sessão ‘Conectando cidades com suas bacias hidrográficas para um futuro com segurança hídrica’, realizada no Centro de Convenções do 8º Fórum Mundial da Água. Para falar sobre o tema, participou da sessão o geólogo e membro do CBH Paranapanema, Emílio Prandi.

Para Prandi, as informações compartilhadas serão aproveitadas na gestão de recursos hídricos de nossa bacia. “Nesta sessão, foram apresentadas experiências internacionais de cidades inteligentes, e se refletiu sobre como as cidades conseguirão se desenvolver com a dificuldade cada vez maior em conseguir fontes de água. Tivemos experiências de várias partes do mundo, que poderemos discutir dentro do CBH Paranapanema, inclusive”, finaliza.

Fechar Menu